Categorias
Blog

A IMPORTÂNCIA DA RESILIÊNCIA NOS DIAS DE HOJE

 

A resiliência  é um conceito que veio da física e refere-se à capacidade dos metais de voltarem para sua forma inicial mesmo após serem usadas a altas temperaturas. Através de uma comparação com situações da vida, uma expressão passou a ser usada para se referir às pessoas que mantêm uma serenidade e lidar com situações delicadas e, até mesmo, tirar as emoções positivas causadas.

Nos dias de hoje, uma pessoa resiliente é muito importante, finalmente, uma vida sempre tem seus altos e baixos, aqueles que conseguem lidar com isso positivamente saem na frente de negócios e são mais felizes também, porque não deixam cair pelos problemas. Continue acompanhando essa reflexão e respeitando a resiliência e confira dicas para desenvolver essa habilidade.

A resiliência é uma chave para transformar obstáculos em graus para alcançar o sucesso

A resiliência não é uma habilidade criada no dia para a noite, trata-se de algo que será lapidado com o passar do tempo. Contudo, se você decidir conscientemente se tornar mentalmente forte, poderá enfrentar esse processo, que poderá ser levado por toda a sua vida. Afinal, como os músculos do corpo, a mente precisa ser exercitada diariamente para fortalecer. Quanto mais trabalhar seus pensamentos, libertar  crenças limitantes  e tornar-se consciente da força que possui, mais resiliente se tornará.

O físico Stephen Hawking é um exemplo bastante interessante de resiliência. Pouco depois de completar vinte anos, ele foi diagnosticado com ELA (Esclerose Lateral Amiotrófica), uma doença que paralisa os músculos do corpo de forma gradual. Essa é uma notícia que poderia deixar qualquer jovem desolado e sem ânimo para fazer qualquer outra coisa, mas não, ele prosseguia com seus estudos e se tornou conhecido em todo o mundo por conta de suas descobertas científicas, mesmo tendo pouco controle sobre seu próprio corpo .

Já imaginou o que aconteceu se o Hawking não fosse uma pessoa resiliente? Certamente, não foi experimentado nem metade da satisfação que teve ao longo de sua vida, publicando livros, realizando estudos de interesse mundial, construindo uma família, vendo sua história no cinema, no filme “A teoria de tudo”. Foram tantos os seus feitos que nem dá para listar todos aqui. É isso que a resiliência faz, mostra o indivíduo que um evento não pode determinar toda a sua trajetória.

7 Características das pessoas resilientes

As pessoas resilientes reúnem um conjunto de características que podem detectar se os mantenham fortes e confiantes são iguais ou maiores que os  obstáculos . Veja, a seguir, quais são as principais.

1 – Reconhecem que podem controlar seu próprio destino

Uma das características mais marcantes das pessoas resilientes é a consciência de que podem controlar seu próprio destino. É claro que as circunstâncias da vida influenciam sua trajetória, como ocorre com qualquer ser humano, mas elas não se deixam levar e escolhem conscientemente para onde desejam ir.

2 – Aceitam as batalhas da vida sem se lamentar

As adversidades fazem parte da vida, não adianta se lamentar, e os indivíduos resilientes sabem muito bem disso. Em vez de sofrerem com coisas que não podem ser mudadas, eles escolhem agir e fazer o que está dentro de suas possibilidades. Basicamente, seguem a ideia daquele ditado que diz que não adianta chorar pelo leite derramado.

3 – São pacientes

Paciência é uma característica importante para se ter resiliência, já que muitas coisas levam tempo para acontecer. Por serem pacientes, as pessoas resilientes também conseguem refletir com serenidade para tomar decisões e agir sem afobação. Calma e sabedoria andam sempre juntas e, por isso, são tão necessárias.

4 – São flexíveis

Uma das maiores qualidades que uma pessoa pode ter ao se deparar com uma adversidade que não está ao seu alcance controlar é se adaptar. Ser flexível é agir com inteligência e identificar o melhor que pode fazer dentro daquele cenário. Voltando ao exemplo de Stephen Hawking, em vez de se lamentar por estar perdendo os movimentos de seu corpo e, por isso, não poder realizar várias coisas, ele se adaptou e se concentrou no que podia fazer, realizando coisas fantásticas!

5 – Sabem com quem podem contar

Pessoas resilientes são emocionalmente fortes, mas continuam sendo seres humanos e não super heróis. Por essa razão, sabem que precisam de apoio e recorrem aos seus entes queridos para se fortalecer e, também, obter ajuda.

6 – Usam a adversidade para se reencontrar

Uma situação problemática muitas vezes vira a vida de uma pessoa do avesso, mas, através da resiliência, ela pode descobrir coisas muito positivas sobre si, mesmo em meio ao caos. A escritora Helen Keller é um grande exemplo disso, ainda criança perdeu a visão, a audição e a fala, mas foi resiliente e ajudou muitas pessoas através de seus livros e da sua própria história de superação.

7 – Crescem através da dor

É importante deixar claro que pessoas resilientes também sofrem com os acontecimentos, as perdas, as incertezas. Contudo, usam a dor para crescerem e evoluírem. A dor é como a alta temperatura a qual os metais são submetidos, conforme mencionado no início do artigo, eles sentem todo aquele calor, mas depois voltam à sua forma original.

7 Dicas para desenvolver a resiliência

Depois de entender a importância da resiliência nos dias de hoje, confira dicas para desenvolver essa habilidade e se fortalecer através das adversidades em vez de se deixar abalar por elas.

1 – Assuma a responsabilidade sobre sua felicidade

Em primeiro lugar, é fundamental que reconheça a sua responsabilidade sobre a sua felicidade e assuma o posto de autor da sua história. Entenda que, por mais que os reveses da vida te obriguem a mudar de planos, é sempre sua a escolha de qual direção seguir. Se ver dessa maneira, permitirá que se comporte de forma mais ativa, sem se deixar levar pela maré. É isso o que diferencia as pessoas de sucesso daquelas que aceitam tudo sem questionar.

2 – Encontre oportunidades em meio às adversidades

As melhores oportunidades não são aquelas que aparecem prontas e batem à sua porta e sim as que você precisa criar. Nesse sentido, é importante que procure enxergar além, obter outras perspectivas, buscar conhecimento, pensar fora da caixa, é esse movimento que fará com que cresça mesmo em meio aos maiores problemas.

3 – Substitua as crenças limitantes por ideias positivas

Para ter resiliência é preciso acreditar em si mesmo e deixar para trás crenças limitantes do tipo “não vou conseguir”, “isso não é para mim”, “fulano não conseguiu”. Esses pensamentos servem apenas para te puxar para baixo e te manter na inércia. Substitua esses pensamentos por outros que sejam positivos, que te coloquem para cima e te motivem a ousar e ir além.

4 – Aprenda a aceitar a mudança

As adversidades geram mudanças e ser resiliente é exatamente se adaptar a elas. Helen Keller e Stephen Hawking são belos exemplos de pessoas que souberam aceitar as mudanças e se adaptar a elas. Ellen aprendeu as palavras com a ajuda de pessoas que também foram resilientes e buscaram outras maneiras de fazer isso. Stephen seguiu pelo mesmo caminho e continuou com seus estudos das formas que eram possíveis. Ambos aceitaram a realidade e fizeram o melhor que puderam dentro dela.

5 – Identifique seus pontos fortes e use-os a seu favor

Cada indivíduo é único e tem as suas próprias características que são mais marcantes. Existem aqueles que são ótimos comunicadores, outros que se dão bem trabalhando sozinhos, que têm a criatividade como ponto mais acentuado e assim por diante. Identificar quais são as suas maiores qualidades irá permitir que as use a seu favor para vencer as adversidades, tornando-as o seu diferencial, seja no trabalho, em família ou na comunidade em que vive.

6 – Saiba gerenciar seus sentimentos e emoções

Qualquer pessoa tende a se sentir insegura frente a uma situação nova, o que diferencia as resilientes é que elas sabem gerenciar seus sentimentos e emoções. Para desenvolver essa inteligência emocional é preciso se conhecer, entender o que gera cada emoção e encontrar maneiras de lidar com elas positivamente. Sempre que se sentir triste, com medo ou ansioso, por exemplo, se questione a respeito, entenda o que gerou aquilo e busque formas de se sentir melhor. Aos poucos, e através da prática, esse processo se tornará cada vez mais simples e natural.

7 – Cerque-se de pessoas que te incentivem

Por fim, procure sempre cercar as pessoas positivas, que incentivam e consideram a força nos momentos em que mais precisam. Afinal de contas, por mais que a resiliência seja uma habilidade individual, saiba o quanto o apoio dos entes queridos é necessário. Se você precisar sentir o que precisa, fale sobre o que está sentindo e, principalmente, peça ajuda, você não precisa vencer como batalhas isoladas para ser forte.

Helen Keller disse que ou a vida é uma aventura ousada ou não é nada. Aqueles que mantêm voltados para uma mudança e se comportam como espíritos livres na presença do destino obter uma força invencível.

Se este artigo te inspirar a ser uma pessoa mais resiliente, aproveite para aplicar-lo em suas redes sociais e levar a motivação adiante!

Fonte: ibccoaching

Categorias
Blog

Entenda o papel da inteligência emocional na gestão de pessoas

A inteligência emocional é uma habilidade muita buscada nos colaboradores, pois traz excelentes resultados para as organizações. Conheça mais sobre esse assunto, que merece atenção e investimento!

A inteligência emocional nunca foi tão valorizada no ambiente corporativo como agora. A capacidade de identificar as emoções e saber lidar com elas faz com que os profissionais consigam ter um relacionamento saudável e colaborativo com os colegas, além de um desempenho que supere as expectativas.

As emoções refletem em todos os âmbitos da nossa vida. Por isso, os gestores já entenderam que promover o autoconhecimento e o amadurecimento emocional impacta positivamente nos resultados das organizações.

Desenvolver essa competência permite lidar melhor com situações de estresse. Ajuda a passar por momentos de crise e a reagir bem em situações de pressão. Esses são só alguns motivos de porque a inteligência emocional tem assumido um papel importante para os negócios. Siga a leitura e conheça mais algumas razões!

Um instrumento de gestão de pessoas mais humano

Organizações que têm um olhar diferenciado para a saúde mental do colaborador colhem bons frutos. Cada vez mais, os gestores têm entendido que uma rotina exageradamente atribulada, com afazeres ininterruptos e cobranças em excesso, prejudicam o trabalhador e, consequentemente, os resultados.

Preencher cada minuto do horário de trabalho com tarefas e mais tarefas não dará o tempo necessário para respirar e pensar sobre o que está sendo feito, o que pode ajudar a aflorar qualquer sentimento negativo que esteja rondando esse funcionário.

Incluir um tempo para higiene mental e o atendimento de um profissional capacitado, para que o colaborador possa dirimir dúvidas e dividir os receios e as conquistas, fará com que a percepção que ele tem do mundo e de suas emoções aumente. Por isso, psicólogos são peças fundamentais em um departamento de RH.

Os benefícios do investimento em inteligência emocional

Ter um setor de recursos humanos que atue de forma estratégica e que conte com uma equipe multidisciplinar não pode ser visto como um luxo nas empresas. Investir em tecnologia e capital humano para o RH é fundamental, e refletirá em todos os outros setores.

O recursos humanos é o motor das organizações e precisa assumir esse protagonismo. Os investimentos em mão de obra qualificada e em um profissional que ajude a desenvolver a inteligência emocional da equipe é irrisório frente às vantagens dessa prática.

Um empregado que lide bem com as emoções saberá separar as questões pessoais e profissionais, tendo uma vida saudável dentro e fora da empresa. Promover a felicidade do colaborador é tão eficiente para o engajamento com a empresa e para a satisfação no trabalho quanto promover treinamentos e capacitações.

Um funcionário que conheça seus pontos fortes e fracos, que saiba passar por momentos difíceis sem se deixar abater, além de comemorar os bons momentos sem ser levado pela euforia e perdendo o foco, entregará o que tem de melhor para a empresa.

O autoconhecimento, uma ferramenta de desenvolvimento

Para atingir esse patamar, o colaborador precisa se conhecer. Com o crescimento do entendimento de si próprio, a compreensão do outro e o exercício da empatia crescem junto. Quando a equipe é composta por pessoas que sabem se colocar no lugar do outro e enxerguem no colega um companheiro e não um adversário, diferentes personalidades convivem harmoniosamente e o clima organizacional é o melhor possível.

Como se tudo isso não bastasse, um profissional com alta inteligência emocional tem clareza nas decisões. Estratégias bem implementadas e claramente difundidas na organização são ferramentas importantes de redução de custo, otimização de processos e pavimentam o caminho para o sucesso.

Uma gestão de pessoas preocupada com a inteligência emocional dos funcionários atrai novos colaboradores, diminui indicadores, como absenteísmo, turnover e reclamações trabalhistas, e aumenta muito a produtividade, a motivação e o engajamento da equipe.

Por isso, dar o devido valor à inteligência emocional é um item obrigatório nas empresas que se destacam no mercado! Outra ferramenta imprescindível para as organizações é a matriz de talentos. Com ela, você avalia e desenvolve sua equipe de forma eficiente, e garante os melhores talentos! Interessante, né?

Fonte: sertms.com